Mar da Poesia


 

 

Erro

 

Encontrei teu traidor olhar violeta

Logo  eu

...que só procurava um amor-perfeito

 

Ado( r) ação amorosa

 

A ti doei-me tanto

que pouco do meu eu

me restou

 

toda vez que tu partes,

sinto saudade infinita

até do que não mais sou

 

 



Escrito por Jeanete Ruaro às 19h30
[   ] [ envie esta mensagem ]






Escrito por Jeanete Ruaro às 16h56
[   ] [ envie esta mensagem ]




MARIA. SIMPLESMENTE

 

Maria tinha olhos de garoa. Olhos úmidos como daquela vez em que as mãos calejadas e o fôlego ofegante do pai a comprimiam contra o muro. Mãos invasoras aquelas. Mãos que lhe levantaram a saia rota, subiram pelas coxas quase infantis. Mãos fortes dotadas de dedos nodosos que percorreram cada pêlo recém brotado do púbis angelical, e como se não bastasse prepararam o terreno para lançar a lança quente e chamejante para dentro de seu corpo.

Maria gritou. Gritou com a voz enfraquecida de um animal indefeso ferido, quando aquele corpo pesado entrou, remexeu, e saiu abruptamente de seu corpo.O beijo daquela boca espumante e fedida a cachaça enfraqueceu a ameaça do grito mais forte. Maria chorou então. Chorou com seus olhos de garoa, com a alma, enquanto deslizava as costas muro abaixo até dobrar-se de joelhos no chão. A genuflexão diante do Senhor. ‘Perdoai-o Senhor, ele não sabe o faz’.

O almoço. ‘Maria faz o almoço!’ –grunhia ele sempre. Há muitos meses era assim. A cachaça. O almoço. A cachaça. O catre. A baba fétida. O ronco. A flatulência.

Acordou. -‘Busca mais uma garrafa no porão Maria!’ –Ainda mato este velho!

No porão a luz bruxuleava e um rato corria pondo-se em fuga. -Um rato! Pois o velho comeria um rato amanhã. Um rato cozido. Um rato cozido junto com raticida –Que nojo! Maria acarinhou o ventre. A protuberância fazia-lhe a mão subir ao estômago e a emese como sempre acontecia ultimamente mostrou presença. Não entendia, a coitada, a razão de tantos vômitos e a barriga estufando cada dia um pouco mais. A vizinha dizia que podia ser um verme.- Um tal verme que causa barriga d’água. Mas mexia. Algo lá no fundo lhe dizia de maneira perceptível que ela tinha dois corações pulsando dentro do corpo. Como podia uma coisa dessas? Como? Como podia ter vontade de comer fios cabelo pela manhã, e não ter vontade de comer a farinha e o feijão no almoço? Como podia agora ter vontade de comer o rato inteiro, de cabo a rabo, não fosse pensar no veneno? -O veneno!

Maria tinha decorado todos os mandamentos no catecismo. –NÃO MATARÁS.

-Decorar não é seguir –pensou. Ou é?!

 

continua abaixo



Escrito por Jeanete Ruaro às 16h24
[   ] [ envie esta mensagem ]




Esgueirou-se até o galpão da casa vizinha. Lá tinha ratos. Muitos. Devia ter iscas de veneno também. Procurou. –Cordeiro de Deus tende piedade de mim.-Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo, tende... Encontrou. Da barra franzida do vestido roto fez um saquinho, e encheu com as miraculosas bolinhas. Arrematou com nó e riso. Riu-se das cores variadas. Amarelo, rosa pink, azulão e verde forte. Iguais. Iguaizinhas as cores da última pulseirinha que a mãe tinha lhe dado poucos dias antes de subir ao céu. –Descansará agora para sempre. –dissera a vizinha na ocasião. Queria tanto ter de volta a mãe. Ela sim descobriria o que dava tanto coice dentro da barriga e tanto engodo às refeições. E a mãe se voltasse, nem precisava trabalhar. Podia descansar sempre, ela só queria mesmo a presença.

Meio tijolo colocado na frente da entrada da toca. Ela de tocaia. Espancou o rato com a vassoura de carqueja. Sovou, sovou, até amaciar a carne. Sem pelos. Sem cabeça. Sem rabo. No arroz. O raticida como colorau.Um banquete!  -‘Vem almoçar......!

PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU... ela não estava no céu, estava na terra. Numa terra fedida repleta de homens com ações fétidas! Não tinha coragem de expressar a palavra pai ao pai, quando chamou para o almoço. Tinha a coragem do ódio. Só. No enterro não segurou a alça do caixão. Segurou o ventre, que  amanhecera com fisgadas miúdas que lhe revolviam tudo por dentro e avançavam num crescendo diante dos despojos ao longo do dia. O vestido que já colorira de rosa passava agora para o tom vermelho e grená. Sangue gosmento sobre o catre. O grito de Maria agora estalava pela íris. Grito forte de fêmea parturejante no ato de.

 –Força Maria! O bebê está de cócoras! Mais força! MAIS!

O muro. A mão. A lança. A chaga de Cristo. CRISTO!... O sangue! A tesoura rasgando a carne, o talho precedendo o urro de dor.  A rosa desfeita antes de florir. O catre num suga-suga sem dar vazão como fosse um absorvente que ela nunca chegou a usar.

-É um menino rijo de mãos fortes, Maria! Mãos fortes Maria! Mãos fortes...

A frase dita distava-se cada vez mais aos ouvidos entorpecidos de Maria até a neblina densa apagar-lhe os olhos de garoa para sempre. O menino herdou do avô-pai o catre, os traços, e as mãos fortes. O nome herdou de um arcanjo: Gabriel.

 

JR  2006



Escrito por Jeanete Ruaro às 16h23
[   ] [ envie esta mensagem ]




Vendeta

 

É isso:

Derramei-me tanto

Amor, pão e rosa

que o coração trancou a poesia

E o tonto todo prosa
finge-se gaveta

e ante o sol que tudo abrasa

a guarda fria

Que valha a intenção

A que se destina o feito

Abro o peito à visitação

 



Escrito por Jeanete Ruaro às 22h28
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sul, SAO LEOPOLDO, CENTRO, Mulher, de 56 a 65 anos, Portuguese, German, Arte e cultura, Informática e Internet
Histórico
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/05/2008 a 31/05/2008
  01/12/2007 a 31/12/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/12/2005 a 31/12/2005
  01/11/2005 a 30/11/2005
  01/10/2005 a 31/10/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/08/2004 a 31/08/2004
  01/07/2004 a 31/07/2004
  01/06/2004 a 30/06/2004
  01/05/2004 a 31/05/2004
  01/04/2004 a 30/04/2004
  01/03/2004 a 31/03/2004
  01/02/2004 a 29/02/2004


Outros sites
  >>Prosa&Verso encadeados<<
  Blue eyes- Lisieux
  Carlos Besenr
  Álvaro
  Anucha Mello
  Crys
  proseando com Mariza
  Palimpnoia
  Neusimari
  Antes fosse agora
  Ricardo Mann
  Ardeamor
  Bragalia
  dbellentani
  Graças
  Digressiva Maria
  Fala Poética
  luiz Tarciso
  Fragmento
  Agrestino
  Concretismo
  Lu-letras divrsas
  Loba
  Poesia&cia
  Poesia sim
  hotwheels -Mário
  Bel- belavida
  Dora Vilela
  Alex
  Ponto- Gê Geórgia
  Ponto De Vista
  Palavras ao vento
  Retalhos- Dora Vilela
  Escondidas
  Empórium
  José Maria Poesias
  Kátia Maués
  Retalhos e pensamentos
  Colcha de retalhos -Dora
  Rogério Simões- Poemas
  Mário Cézar -Coivara
  Zumbi escutando blues
  Diana Dru- Entre laços e nós
  Leo
  Revelações- Dequinh@
  Pinho
  Uma janela para o mundo
  Jucier
  Márcia Maia
  Marcia Maia
  Adelaide Amorim
  Weder poeta
  Lu -poetar
  Andre- Quintaldecasa
  Poros e cendais- Antoniel
  Espaço livre- Julia
  Dira Vieira
  Poligrafia
  Moacy Cirne
  Canteiro de obras
  Maria Borges
Votação
  Dê uma nota para meu blog